"Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas" disse JESUS......................."E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará”, disse JESUS

Bolsonaro deixará o PSC. Aliança do PSC com o PCdoB teria desagradado parlamentar

Com o fim das coligações proporcionais, proposta discutida pelo Congresso, e sem um puxador de votos como Bolsonaro, o PSC corre o risco de não cumprir a cláusula de desempenho a ser implantada e voltar a ser um partido nanico

Deputado rompe com o presidente da legenda, Everaldo Dias, após aliança com o PCdoB no Maranhão e pedido de doações para seu filho no Rio, e conversa com o PR, o PRB e até o DEM em busca de espaço para disputar a eleição presidencial de 2018

A gota d’água do rompimento de Bolsonaro com o PSC foi a aliança que o partido fechou com o PCdoB no Maranhão nas eleições municipais de outubro. Bolsonaro não pode nem sonhar com a palavra comunismo. Muito menos admite que seu partido apoie legendas deste segmento ideológico ou de esquerda. A aliança comuno-cristã em São Luiz possibilitou a eleição de três vereadores comunistas e um evangélico.

Quando soube do acordo eleitoral, Bolsonaro foi à sede da sigla no Rio de Janeiro e disse que não admitia esse tipo de aliança. O deputado considera que o programa político do PCdoB, que defende bandeiras como a descriminalização do aborto e do consumo de maconha e apoia a união gay, são incompatíveis com o que ele prega.

Bolsonaro deverá deixar o PSC ainda este ano e levará consigo os filhos Eduardo, deputado federal eleito por São Paulo, Carlos, vereador mais votado no Rio, e Flávio, deputado estadual fluminense derrotado na eleição municipal no Rio.

Além de apoiar os comunistas do Maranhão, o PSC também apoiou a candidata a vereança de Fortaleza Edivânia Matias Goes que preferiu usar  nas  urnas o nome  de Debora Soft, alcunha usada desde os tempos que trabalhava como stripper na capital do Ceará. Seu lema de campanha é “Vote com Prazer”, o mesmo de 2004, quando foi eleita com 11.590 votos, a oitava mais votada daquele pleito.

A candidata do PSC embora não falou muito sobre suas propostas, apostou como estratégia de campanha o humor e no apelo ao voto “sem preconceito”. Embora hoje ocupe um cargo de confiança na administração pública, ainda utiliza a fama adquirida em seu trabalho nas noites de Fortaleza. Quando lembra do tempo que exercia mandato, Edivânia Matias Goes do Partido Social Cristão afirma que só lamenta não ter podido fazer um striptease na Câmara e disse ter sofrido preconceito.

Preconceito é algo que o deputado federal Takayma, também do PSC, parece que não tem. Presidente do PSC do Paraná, ele costurou uma aliança com o Partido Comunista do Brasil para lançarem juntos Ney Leprevost (PSD) a prefeito de Curitiba. O nome da coligação, onde o vice é do PSC, é sugestiva: “Corrente do Bem”.

Não é a primeira vez que o PSC alia-se aos comunistas.

Foi o caso da aliança com o PC do B, em Porto Alegre, em 2012, quando a deputada federal Manuela D’Ávila (PCdoB)  foi candidata à prefeita de Porto Alegre, tendo como forte aliado o Partido Social Cristão (PSC), que foi vice na chapa de D’Ávila.

O cristão Everaldo Dias à esquerda da comunista Manuela D`Ávila, em 2012

Com informações de Congresso em Foco e Gospel Prime

 

Comente via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

JESUS