Aprovada a lei que conhece família apenas a “união entre homem e mulher”

A lei foi aprovada, sem objeção, no último dias antes Leia mais »

 

Barack Obama será julgado pelo Sinédrio em Israel

Barack Obama,  presidente dos EUA

Barack Obama, presidente dos EUA

O Sinédrio foi restabelecido recentemente em Israel. Citada nas páginas do Novo Testamento, essa “Suprema Corte religiosa” é composta por 71 sábios. Após anunciar que pretende julgar o papa Francisco dia 20 de setembro de 2015, o próximo a ser intimado é o presidente dos EUA, Barack Obama.

Francisco precisa se retratar das afirmações que fez sobre os judeus não terem direito à terra de Israel ou a Jerusalém. O Sinédrio explica que já mandaram uma intimação, caso a autoridade máxima dos católicos não compareça, será julgado à revelia num tribunal montado no alto do monte Sião.

Agora o Sinédrio deseja ver Obama responder por seus “crimes” contra o povo judeu, após ter assinado o acordo nuclear com o Irã. A data escolhida foi 9 de setembro, quatro dias antes de Rosh Hashana, início do dia de julgamento divino da nação judaica.

De acordo com uma convocação, revelada pelo site Breaking Israel News, o Sinédrio acusa Obama de “promover deliberadamente o genocídio do povo judeu”. Os juízes do Sinédrio exigem que o presidente americano “anuncie imediatamente que está suspendendo o acordo”. Caso contrário, irá a julgamento.

O Sinédrio voltou a funcionar em Israel há mais de uma década, mas não foi reconhecido pelo governo.

“Estamos aqui para assuntos grandes e pequenos, que dizem respeito a Israel, e os que pertencem a outras nações também”, afirmou o rabino Dov Stein, secretário do Sinédrio.

“É parte do processo de Geula (redenção) da Nação de Israel voltarmos para a Terra Prometida, restabelecer o Sinédrio e restaurar a nação como era antes, pois de Sião será anunciada a Torá, e de Jerusalém virá a Palavra de Deus para o mundo”.

Além do presidente Obama, são mencionados na carta-convocação o Secretário de Estado John Kerry e os membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU.

Em suma, a carta afirma que o mundo todo conhece as ameaças feitas pelo Irã de destruir Israel e que isso foi chancelado com o consentimento dos Estados Unidos e de seus aliados.

Criticou veementemente a política externa americana para o Oriente Médio e que a possibilidade dos iranianos disporem de armas nucleares põem em perigo todos os países da região. (Fonte: Gospel Prime)

Pesquisa questionável sobre a credibilidade da igreja

pesquisaDesvendando uma pesquisa mal feita (ou mal intencionada).

Pesquisa divulgada essa semana, feita pela CNT, mostrou que 53,5% dos brasileiros tem grande confiança na igreja. Estranhamente, a pesquisa não mostra a que igreja está referindo-se. Católica ou evangélica? Pesquisas feitas por outros institutos sempre mostram o percentual de ambas.

Além disto, as Forças Armadas que sempre gozaram de grande prestígio da sociedade ficou atrás da igreja. Em outras pesquisas sempre estiveram à frente.

Ademais, o índice de confiança da sociedade nas Forças Armadas está em torno de 70%, segundo dados de pesquisas feitas por outros institutos, e na pesquisa da CNT, apenas 15,5% dos brasileiros confiam nas Forças Armadas.

Em 2012, por exemplo, o renomado Ipea fez uma pesquisa onde mostrou que as FFAA tem boa/muito boa aceitação por 68,3%.

Pesquisa feita em 2013/2014 pela Fundação Getúlio Vargas apontou as Forças Armadas como a instituição mais confiável na visão de 68% dos brasileiros.

Ou seja, sempre próximo a 70%.

Em dias de instabilidade política, econômica e quase social, resta saber a quem interessa essa pesquisa que fez as Forças Armadas, de uma hora para outra, despencar 50 pontos percentuais.

Logo, a partir desses ‘pequenos’ detalhes toda os demais dados da pesquisa acabam por ser comprometidos.

Senado quer saber se igrejas devem pagar impostos

Proposta partiu de grupo de ateus do Distrito Federal. Maioria dos comentários no Facebook são contrários à medida

 

impostos
O Senado Federal lançou uma pesquisa nas redes sociais perguntando à população se as igrejas devem passar a pagar impostos no Brasil. A proposta partiu de um grupo de ateus do Distrito Federal e foi emcampada pela ATEA ( Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos), que conta com 15 mil integrantes. A organização conseguiu reunir as 20 mil assinaturas suficientes para que a petição seja analisada por uma comissão da casa revisora do Congresso Nacional. Pelo caráter da inciativa, vai seguir para a Comissão de Direitos Humanos.

Na justificativa, o grupo de ateus argumentou que “os constantes escândalos financeiros que líderes religiosos protagonizam estão tornando-se o principal motivador da ideia de que a imunidade tributária das igrejas deve ser banida. O Estado é uma instituição laica e qualquer organização que permite o enriquecimento de seus líderes e membros deve ser tributada”.

O presidente da Atea, Daniel SottoMaior, espera que o Congresso faça a discussão necessária sobre a proposta. “Esperamos que haja um debate mais amplo do que existe hoje, porque as questões de laicidade, apesar de no papel existir há mais de 120 anos, na prática é só para ingles ver. A gente espera colaborar com a discussão para que a sociedade entenda a importância da separação entre igreja e Estado. A questão praticamente não avançou, são coisas muito obscuras que as pessoas precisam começar a entender”, comentou.

No Facebook, 18 mil pessoas já curtiram a página desde a publicação. A maioria dos comentários são contra a proposta. (Fonte: O Dia)

Thalles Roberto pede perdão a evangélicos após “desabafo”

Cantor Thalles Roberto

Cantor Thalles Roberto

O cantor Thalles Roberto desde que ficou conhecido no meio gospel se envolve com polêmicas. As mais recentes foram suas declarações durante uma apresentação na Conferência Global 2015 realizada pela Comunidade das Nações, em Brasília, no começo da semana passada.

O cantor anunciou que estava saindo do meio gospel por que Deus teria dito a ele “Você está acima da média porque você está no meio de gente fraca…  Quero ver você estar acima da média lá fora”.

Sua decisão então é obedecer a este “novo chamado” e deixar de se apresentar em igrejas e fazer mais eventos seculares. Além disso, afirmou entender de Deus que já fez no meio gospel “tudo o que ele tinha para fazer”. Agora o cantor se prepara para lançar um CD que não tem os evangélicos como público alvo.

O vídeo com as declarações dele foi reproduzido e comentado no Facebook milhares de vezes. Um percentual muito grande dos evangélicos ficou indignado com as declarações. Poucos dias depois, começou a circular nas redes sociais outro vídeo, com mais declarações contundentes. O material passou dos dois milhões de visualizações e aumentou a polemica, pois Thalles afirmou que canta melhor que todos os cantores juntos e que sua riqueza é maior do que todos os bens que os cantores evangélicos podem somar.

Quase imediatamente, surgiram textos em sites evangélicos e vários videos postados nas redes sociais mostrando que a imagem do artista está definitivamente prejudicada entre grande parte dos evangélicos. A maioria acredita que Thalles foi arrogante e não demonstra entender o que significa ser um cantor gospel, pois parece ter mantido uma visão apenas comercial do que sua carreira no meio religioso lhe proporcionou.

Devido a repercussão negativa, o artista acabou divulgando nota à imprensa, se desculpando.  Ele começa mencionando seu testemunho pessoal, lembrando em seguida que  em pouco tempo se tornou um “furacão de sucesso” no meio evangélico. Listou ainda ter conquistado “Muitos discos de ouro, platina duplo, platina, 1º lugar de vendas no iTunes, música em 1º lugar nos Estados Unidos”.

Thalles conta que Deus lhe pediu para “sacrificar” o seu sucesso. Ele faria isso voltando ao meio secular de onde saiu em 2008.  Portanto, sua motivação agora seria alcançar, através de suas músicas, pessoas que não conhecem o evangelho.

Na nota, ele ressalta “Nunca vou sair da igreja, nem deixar de cantar nelas, eu amo a igreja do Senhor, mas não quero que o meu sucesso seja o limite pra eu evangelizar”. No final, pede que os evangélicos orem por ele.

Neste sábado (18), Thalles usou sua conta no Facebook (onde tem mais de 7 milhões de seguidores) para publicar um vídeo de dois minutos, onde procura esclarecer o que considera um mal-entendido.

Pediu perdão por que “pode ter se equivocado” na maneira como se expressou e que não tinha a intenção de menosprezar os demais cantores do meio gospel.

Usando os mesmos termos da nota oficial, apresentou o que chama de seu plano de vida, que determinaram o nome de seus discos. Agora, se inicia uma nova fase de sua carreira. Com o nome de “Projeto Luz”, ele aponta para seu desejo de usar sua música para alcançar as pessoas “do lado de fora”.

Lembrou que seu pai é pastor e que ele ama a igreja, despediu-se dizendo que ama a todos. O vídeo teve quase 350 mil visualizações no dia em que foi ao ar.

Contudo, os comentários na publicação mostram que isso não foi o suficiente.

Uma grande quantidade de pessoas deixou claro que o cantor está novamente equivocado em suas colocações. A polêmica parece que não deve acabar tão cedo. Somente com o passar do tempo será possível medir as consequências desse imbróglio. Anos atrás, a banda Catedral também “rompeu” com o mercado evangélico, fazendo muitas críticas, mas jamais conseguiu se firmar no mercado secular e anunciou seu fim este ano. (Fonte: Gospel Prime)

Em novo vídeo, Thalles afirma ser o melhor e mais rico que todos cantores gospel, juntos

Cantor Thalles Roberto

Cantor Thalles Roberto

A repercussão do anúncio de Thalles de que iria iniciar uma carreira secular porque era acima da média no gospel, segmento segundo ele formado por músicos “fracos”, foi enorme. No entanto, o cantor reafirmou, em outro evento, que agora está “renunciando” ao espaço que ele tem entre os evangélicos, e que irá cantar só o que tiver vontade.

Usando a história de José do Egito, filho de Jacó vendido como escravo pelos irmãos porque era um sonhador, Thalles reafirmou durante um show que ele se enxerga como o mais talentoso dos músicos cristãos no Brasil.

“Eu sou melhor que todos eles, juntos. Cantando no mesmo palco, eu sozinho, bato em todo mundo porque Deus me deu uma voz que não deu para ninguém […] Não é por ser o melhor dos meus irmãos que eu tenho que ser morto por eles e não tenho que matá-los. Eu tenho que falar isso. Eu estou falando hoje porque eu cansei”, afirmou, referindo-se às críticas que recebe.

“A partir de hoje eu vou cantar o que eu quero, vou postar o que eu quero, e vou falar o que Deus me mandou falar”, acrescentou.

Na sequência, Thalles Roberto ostentou a riqueza que amealhou após fazer sucesso no meio gospel: “Hoje eu sou rico, irmãos. Muito mais do que todos os outros cantores gospel. Talvez se somar o que eles têm, não dê nem metade do que Deus me deu. Muito mais. O que Deus me deu, nem os meus músicos sabem. Nem meu empresário sabe. Empresas, sociedades. E sabe o que eles, fizeram, os outros cantores? Ficaram de mal de mim. Por que? Incomoda. Incomoda ver José cheio de sonhos. Os irmãos dele também fizeram isso com ele”, disparou.

Ao final, Thalles Roberto disse que sua decisão de deixar o meio gospel foi tomada para atender um pedido divino: “Eu sou eu. Jesus mudou minha vida, não devo nada a ninguém […] Deus me perguntou assim: ‘Você tem coragem de colocar seu sucesso no altar?’ Eu falei: ‘O que é colocar o sucesso no altar?’, e Deus me disse: ‘Você é famoso, Thalles. Você é o número 1 no mercado gospel. Dá isso para mim, renuncia a esse mercado. Começa de novo, fazendo o que eu quero que você faça. Você tem medo de perder os seus fãs? Você é simpático, gente boa’. Mentiram contra mim, falaram que eu recebi e não fui no evento. Eu fiz uma Bíblia, coloquei meu testemunho na frente, porque Deus me disse ‘Thalles, faça uma Bíblia, porque os jovens te seguem, e não leem a Bíblia. Eles pulam, gritam, mas não leem a Bíblia’ […] E isso virou polêmica”, queixou-se. (Fonte: Gospel Mais)

COMENTÁRIO:

Você é o número 1 no mercado gospel. Se Thalles realmente ouviu isto, é evidente que não foi do Deus Todo-Poderoso, o Senhor dos senhores.  

“A soberba precede a ruína, e a altivez do espírito, a queda.” Provérbios 16:18

Esse rapaz precisa urgentemente arrepender-se diante de Deus, antes que seja tarde demais.

Everaldo Dias é acusado de fazer “caixinha” com funcionários

Everaldo é acusado de fazer "caixinha" com funcionários

Everaldo é acusado de fazer “caixinha” com funcionários

A revista Época divulgou que Vitor Nósseis, presidente do PSC, denunciou na convenção nacional do partido o ex-candidato à presidência Everaldo Dias.

Ele encaminhou ofícios ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ao Banco do Brasil e à Polícia Federal onde acusa Everaldo e o secretário-geral do partido, Antônio Oliboni, de várias irregularidades.

Isso inclui a prática da chamada “caixinha”, onde funcionários parlamentares são obrigados a “devolver” parte de seus salários para quem os indicou ao cargo.

Segundo Nósseis, que pode perder o comando da legenda para Everaldo, a tal caixinha cobrada pelo pastor dos funcionários “variam de 50% a 80% do valor do salário”. A denúncia já está nas mãos da Polícia Federal.

Em relação a Oliboni, este foi denunciado ao BB e ao TSE, por que “apropriou-se de maneira indevida” de um talão de cheque do PSC. Por isso, o atual presidente está pedindo o bloqueio do fundo partidário e de todas as contas correntes e poupanças do partido.

Até o momento, Everaldo afirmou não ter sido informado das acusações de Nósseis. Limitou-se a dizer: “na hora em que eu souber disso, vou fazer igual ao doutor Oliboni fez ao ser acusado. Ele registrou queixa de calúnia. O Nósseis só fala mentira”. (Fonte: Gospel Prime)

Igrejas poderão questionar leis diretamente ao STF, se PEC for aprovada

Bancada evangélica da Câmara dos Deputados

Bancada evangélica da Câmara dos Deputados

A bancada religiosa prepara uma nova ação na Câmara para, desta vez, aprovar a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que inclui as igrejas na lista de instituições capazes de propor ação direta de inconstitucionalidade ou ação declaratória de constitucionalidade ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Para analisar a proposta, o presidente da Câmara dos Deputados formou uma comissão especial que se reunirá por mais 40 sessões, cujo objetivo é aprovar o projeto até o final do ano.

O texto é de autoria do deputado evangélico João Campos (PSDB-GO). Para ele, a proposta não fere o princípio da laicidade do Estado, previsto na Constituição.

“Nesta proposta não estamos tratando de dogmas religiosos, não estamos tratando de princípios teológicos. Nós estamos tratando de matéria constitucional e corrigindo uma lacuna deixada pelo constituinte”, disse o deputado João Campos em entrevista ao iG.

Atualmente, a Constituição garante a competência para oferecer questionamentos ao Supremo para a presidente da República; para mesa do Senado Federal e da Câmara dos Deputados; para as mesas das Assembleias Legislativas ou da Câmara Legislativa do Distrito Federal; para os governadores de Estado ou do Distrito Federal; para o procurador-geral da República; para o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB); para partidos políticos com representação no Congresso Nacional; além de confederações sindicais ou entidades de classe de âmbito nacional.

Questões

Entre os assuntos listados pelo autor da proposta capazes de despertar o interesse das igrejas em julgamentos do Supremo estão as questões que garantem direitos às famílias homoafetivas – que na opinião dos religiosos afetam a concepção de família defendia pela igreja, formada exclusivamente pela união entre homem e mulher.

Além disso, os evangélicos querem garantir o direito de, em suas pregações, continuar condenando as práticas homossexuais sem que isso seja enquadrado como atitude homofóbica. Os religiosos também querem usar o direito de questionamento para contestar futuramente uma eventual aprovação da proposta que tipifica o crime de homofobia.

Outro alvo dos evangélicos é a questão do uso de drogas. De acordo com o deputado João Campos, se a proposta que dá poder de questionamento às igrejas já estivesse valendo, os evangélicos já iriam se contrapor, por exemplo, ao recurso extraordinário que questiona punições para usuário de drogas, que está sendo analisado pelo Supremo.

“O argumento desse recurso é que o uso de drogas é uma decisão individual, no entanto, nós não achamos isso. O uso de drogas afeta a família e toda sociedade. Com certeza, este seria um tema que nós gostaríamos de opinar”, argumentou o deputado. (Fonte: O Dia)

Não chamem um homem honesto de corrupto (Campanha Avaaz)

avaaz
Mais uma postagem polêmica no site AVAAZ – que busca o direito de corrigir uma informação divulgada de forma errônea, no Jornal O Globo e Revista Veja, para que expliquem em público o que afirmaram ou publicaram sem ouvir a pessoa citada(Rubens Teixeira).  Além de exigir do  presidente da PETROBRAS, que venha a público dizer acerca de todas as desconfianças que tem sobre a pessoa do ex-diretor financeiro e administrativo da Transpetro Dr. Rubens Teixeira.
O abaixo-assinado com título “Petrobras, Jornal O Globo e Revista Veja: Não chamem um homem honesto de corrupto” no site AVAAZ, foi criado pelo Usuário Oseias C.

Confira a justificativa:

“Para que sejam identificados no Brasil os verdadeiros corruptos e que não se lance lama em cima de pessoas corretas. Queremos o DIREITO DE RESPOSTA para os que CHAMAM ou INDUZEM DE FORMA MALDOSA ou CRIMINOSA alguém honesto de CORRUPTO, mesmo quando não há qualquer acusação ou processo contra esta pessoa. Para que a PETROBRAS  e setores da mídia descompromissados com apurações profundas e ávidos para publicar coisas que maculam a imagem alheia, talvez porque isso lhe renda receitas financeiras, assumam seus ERROS e venham a público esclarecer as ABERRAÇÕES que cometeram contra uma pessoa que não responde a qualquer processo e foi diretor do maior grupo empresarial do Brasil sem se envolver em escândalo.
 
A liberdade de imprensa deve sempre ser preservada no Brasil, no entanto, quando se acusa uma pessoa, é preciso dar a ela o direito de resposta. E é exatamente esse direito, negado pelo Jornal O Globo e a Revista Veja, e outros órgãos que repercutiram essa desastrada aberração do jornalismo tupiniquim ao ex-diretor Financeiro e Administrativo da TRANSPETRO, Rubens Teixeira, que exigimos desses meios de comunicação que dizem ter compromisso com a informação imparcial.
 
EXIGIMOS também que o PRESIDENTE da PETROBRAS com seu DIRETOR DE CONFORMIDADE venham a público dizer acerca de todas as desconfianças que tem sobre a pessoa do ex-diretor financeiro e administrativo da Transpetro Rubens Teixeira que teria ensejado “bandeira vermelha” em seu nome, conforme publicou o JORNAL O GLOBO em 19 de maio de 2015, na matéria “Auditor da Petrobras fez lista de suspeitos: de 35 nomes, petroleira identificou ‘bandeiras vermelhas’ em oito por risco de envolvimento em desvios”, e na REVISTA VEJA, sob o título “Em áudio, diretor da Petrobras lista 35 funcionários ‘não confiáveis': auditoria detectou que esses servidores mantinham contato frequente com pessoas investigadas na Operação Lava Jato”.
 
ASSINEM ESTA PETIÇÃO para pressionar a PETROBRAS e a essas mídias para que expliquem em público o que afirmaram ou publicaram sem ouvir a pessoa citada.  
 
LEIAM e DIVULGUEM o artigo do juiz federal, professor e escritor William Douglas, posicionando-se como cidadão, acerca da obscura atitude de membros da Petrobras que fizeram afirmações acerca da reputação de Rubens Teixeira:  “NÃO CHAMEM UM HOMEM HONESTO DE CORRUPTO: uma lição para quem faz assassinato de reputações” ( Página do Facebook do juiz William Douglas: http://vai.la/f7Sg ) ”
        Fonte: Da redação (Justiça em Foco), por Ronaldo Nóbrega.

Terroristas islâmicos explodem bebê em treinamento

bebeO mundo assiste impassível aos massacres cometidos pelos terroristas islâmicos do Estado Islâmico (EI) desde que começaram uma guerra civil que se espalhou pelo Iraque pela Síria há cerca de três anos.

Foram divulgadas crucificações e decapitações, pessoas queimadas vivas e executadas a sangue frio, mas a barbárie parece não ter limite. As ações da coalizão liderada pelos Estados Unidos não conseguiu enfraquecer significativamente as forças jihadistas. Pelo contrário, sua sede de sangue se espalhou por diversos países, através de simpatizantes que desejam ver o mundo governado pelas regras do Alcorão

Agora surge a notícia que o EI teria explodido um bebê durante uma missão de treinamento realizada no Iraque. A denúncia foi feita por Sadiq al-Husseini chefe do comitê de segurança da província de Diyala, no Iraque.

“A organização amarrou e explodiu a criança por meio de um controle remoto diante de dezenas de rebeldes”, relata al-Husseini. “Eles não ligam para os valores humanos mais básicos.”

A explosão do bebê fazia parte de um treinamento sobre como armar bombas e detoná-las à distância. A criança sacrificada era filha de um homem que fora executado por ter matado militantes do Estado Islâmico. A barbárie ocorreu em um dos campos de treinamento próximos a Sharqat, a nordeste de Salahuddin.

Segundo os dados divulgados pela Organização das Nações Unidas nesta segunda (13), cerca de 15 mil civis foram mortos em quanto outros 30 mil ficaram feridos no Iraque desde o início da guerra, em 2014.

Já o relatório sobre a proteção dos civis no conflito armado no Iraque afirma que são “pelo menos 44.136 vítimas civis, entre as quais 14.947 mortos”. Centenas de combatentes do Estado Islâmico morreram no mesmo período, mas não existem estatísticas oficiais. Com informações de Jihad Watch, via Gospel prime

Não chame um homem honesto de corrupto

Pastor e doutor Rubens Teixeira (RJ)

Pastor e doutor Rubens Teixeira (RJ)

O juiz federal, professor e escritor William Douglas, que escreveu em coautoria com Rubens Teixeira –colunista do Gospel + – o best seller “As 25 Leis Bíblicas do Sucesso”  e a sua continuação, o livro “Sociedade Com Deus, publicou texto  em sua página do Facebook que está dando muita repercussão.

No artigo, o escritor, apresentando-se como cidadão brasileiro, cobra, de forma dura, esclarecimentos a Petrobras acerca da forma obscura em que destituiu Rubens Teixeira do cargo de Diretor Financeiro e Administrativo da Transpetro, colocando em seu lugar Fernando Kamache, um ex-diretor da Refinaria de Passadena, aquela que foi comprada quando Dilma Rousseff era presidente do Conselho de Administração da Petrobras e a deixou em situação complicada politicamente. A seguir, estranhamente, vazaram informações internas de uma auditoria que alega que alguns diretores e gerentes tinham bandeiras vermelhas em seus nomes. Diante disto, Rubens Teixeira notificou o presidente da Petrobras e o diretor de governança para que venham a público dizer qualquer coisa que tenham descoberto a seu respeito. E, a Petrobras estranhamente se cala e nada diz.

Rubens Teixeira que foi diretor financeiro e administrativo da Petrobras Transporte por sete anos não responde a qualquer processo e pretende ir ao Judiciário para que o presidente da Petrobras, Aldemir Bendine, e o diretor de governança, João Adalberto Elek Junior, venham a público explicar o que sabem a seu respeito.

Inclusive foi criada uma Petição no Avaaz – que já foi assinada por intelectuais, juízes e personalidades –  com o fim de que sejam identificados no Brasil os verdadeiros corruptos e que não se lance lama em cima de pessoas corretas.

Leia abaixo o texto de William Douglas, intitulado “Não chame homem honesto de corrupto (uma lição para quem faz assassinato de reputações)”, em que critica duramente a forma obscura e o silêncio da direção da Petrobras.

NÃO CHAME HOMEM HONESTO DE CORRUPTO
(uma lição para quem faz assassinato de reputações)

“Queridos,

Vou falar sobre a corrupção no Sistema Petrobras e sobre honradez.

Fui advogado aos 21 anos, Delegado de Polícia aos 23, e, em seguida, Defensor Público, Juiz e Professor. Acreditem: eu conheço bastante os meandros da maldade. Não bastasse tudo isso, frequento desde favelas até as altas rodas. Da favela, mudaram o nome, mas não a realidade; nas altas rodas, tirando a possibilidade de ser preso, nada mudou.

Veiculo aqui uma lição aos corruptos e aos irresponsáveis, aos que falam mal dos outros sem ter o curial e básico cuidado de não falar besteiras.

Eis a lição: se tem algo que não se deve fazer é chamar um homem honesto de corrupto.

Se você chamar um corrupto de corrupto ele vai negar, reclamar, dizer um monte de coisas por si ou por seu advogado, mas garanto: não vai insistir nas reclamações. No fundo, ele não quer ser investigado e por isso se cala. Sabe-se que aquele que tem culpa no cartório não vai além da protocolar arguição de inocência, de dar alguma desculpa e ficar quieto torcendo para que o escândalo seguinte tire o foco de cima dele. E, como não faltam escândalos no Brasil, tudo fica por isso mesmo. Por ser assim, num país cheio de corruptos, as pessoas estão acostumadas a ofender a esmo e sem qualquer responsabilidade. Mas, repito, não faça isso com um homem honesto.

Quem não se vende não vai ficar quieto se for ofendido, não vai querer que a coisa esfrie até passar tudo a limpo. Não, quem não vende contratos ou a coisa pública é diferente do corrupto. Este tem tudo, menos a honra; já o honesto tem uma casa menor, um carro menos luxuoso, viaja menos e não bebe o melhor do vinho que a França produz. O vinho caro do homem honesto é seu travesseiro, é sua consciência em paz, é poder olhar seus filhos sem ter vergonha do que fez no mandato passado. Isto é tudo que resta ao homem de bem. E, por incrível que pareça, e para alívio de um país cansado e desanimado, eis a notícia: servir e ter honra, sem se vender, é o que basta para alguns homens públicos.

Então, não tire do honesto seu bem mais precioso: sua honra. E honra é algo difícil de ser compreendido por aqueles que abriram mão dela em prol de algo vil, seja o metal, seja o poder. Ou o melhor vinho da França.

Sou amigo de Rubens Teixeira. Confiava em sua honestidade por mil motivos diferentes, mas nunca auditei sua vida. Só fiz as checagens possíveis antes de elegê-lo como meu coautor, e ele se saiu bem em todas. Sempre o vi dedicado à Transpetro, e quando vi seu relatório de atividades, percebi o quanto é competente e o quanto melhorou todos os índices de produtividade e qualidade da companhia.

Um dos meus orgulhos como seu amigo era ver que enquanto a Petrobras afundava em denúncias concretas de superfaturamento, a Transpetro seguia incólume. Muito mal, na época das eleições, vazamentos de uma auditoria errada deram o que parte da imprensa gosta: acusações, mesmo que sem provas e sem ouvir o outro lado. Ou seja, qualquer pessoa que compare as duas empresas verá que alguma coisa boa acontecia na Transpetro. Enfim, sempre tive muito orgulho de ver sua dedicação, seus resultados e, em especial, a inexistência de acusações sobre sua pessoa. E ele faz por merecer esse nome limpo. Não é um acidente.

Então, foi com grande surpresa que vimos, ao ser substituído do cargo de Diretor Financeiro da Transpetro, dizerem que era porque havia “suspeitas”, que era porque havia “bandeiras vermelhas”. Eles poderiam substituir o Rubens sem dizer nada, o cargo é demissível ad nutum, algo simples de ser feito. Mas não, era preciso passar a imagem de que alguma limpeza estava sendo feita, ou de que todos são corruptos, ou sei lá o quê, mas o fato é que tinham que denegrir a imagem de quem sai. O problema é que estamos diante de um homem probo: lançaram lama sobre quem usa trajes decentes. Isso não, isso não se pode aceitar. Não.

Desde a primeira hora, a população, acostumada a tanta corrupção, achou que era só mais um dentre tantos casos. A imprensa, fazendo mal seu papel, não ouviu o Rubens. Os que o acusaram não se preocuparam, eu suponho, já que, como se diz, “a manchete do jornal de hoje embala o peixe amanhã” e porque é bem difícil alguém insistir em apuração de denúncias. O problema é que quando se cospe em gente de bem, em gente que optou por não se vender, por não enriquecer às custas do povo, por não financiar campanha política (claro, sempre cobrando sua parte), a vítima das acusações vai querer que a verdade apareça.

Anoto que a imprensa costuma chamar o Rubens de “pastor da Assembleia de Deus”. Isto é modalidade de perseguição e intolerância, é apedrejamento por outra via. Qual a razão de a imprensa rotular o homem pela sua fé (como se isso o desabonasse) em vez de reconhecer seu invejável currículo? Por que não dizem que é Engenheiro Civil, que tem mestrado em energia /engenharia nuclear pelo IME, que é Bacharel em Direito, que tem Doutorado em Economia pela UFF, que tem obras publicadas, e, inclusive, prêmios por seu doutorado? Por que não mencionam que foi aprovado nos concursos para a AMAN, IME, EEAR, Oficial do Corpo de Bombeiros do RJ, TCU e Analista do Banco Central do Brasil?

Que vergonha, imprensa, que vergonha! Sempre defendi e defenderei a liberdade de imprensa, mas me entristece quando vejo que esquecem que se a liberdade da imprensa é importante, a responsabilidade com a verdade também o é.

Voltemos, porém, às dicas para quem quer assassinar reputações ou quer sustentar que “todo mundo faz”: informo com alegria que nem todo mundo faz, e não chame homem honesto de corrupto. Ele não vai se calar.

Pois bem, o fato é que já estamos há 90 dias da substituição do Rubens Teixeira. As notícias, algumas no Ministério Público do Trabalho, é que até a cárcere privado submeteram funcionários da Transpetro. Tudo para tentar achar alguma falcatrua, alguma sujeira, algum “por fora”, alguma coisa desse naipe. Mas, curiosamente, nada foi achado. Imagino que frustração deve ser para um quem acusa saber que, ao contrário do que se disse, não houve nada fraudulento. “Como é que pode ser isso?”, deve pensar. Mas e se for dito, de de forma leviana, que alguém é “suspeito”? Quem disse, vendo que errou, deve pedir desculpas, não? É o mais ético a fazer.

Pois bem, o Rubens Teixeira está há três meses, em sucessão de e-mails e notificações diretas e, agora, por cartório, insistentemente pedindo uma mesma e única coisa: “Digam por que vocês disseram que têm suspeitas contra mim, digam por que falaram em meu nome com ‘bandeiras vermelhas!’”

A insistência do Rubens é a dos homens honestos, é a dos homens que nada têm a temer, que nada devem. Para muitos, em um país onde pululam sem-vergonhas, essa pergunta é de um “louco” ou de um “chato”. Para um país envergonhado por tanta corrupção, essa pergunta é um alento. Se existiam “bandeiras vermelhas” e “suspeitas” sobre o bom nome do Rubens, por que não vieram a público?

Se depois de três meses de pesquisa, e, tenham certeza, de esmeradas pesquisas, algo se achou, porque não contam? Seria ótimo para a sociedade saber qual foi a suspeita, qual foi a falcatrua. E, claro, isso mostraria que a demissão motivada “por suspeitas” não foi feita com irresponsabilidade ou má-fé. Sim, não há outra possibilidade: ou você sabe que a pessoa é corrupta e a demite, ou não sabe, ou não tem provas, e nunca deveria ter acusado levianamente uma pessoa de bem. Aliás, nem aos corruptos se pode acusar levianamente. A única diferença é que os honestos reclamam bastante.

Pois bem, eu respondo usando minha experiência de 30 anos lidando com o Direito e com o serviço público: se estão quietos é porque nada foi achado. O problema é que o silêncio de quem acusou levianamente não limpa a mácula. O certo, o digno, o probo, o ético, o decente seria emitir uma nota pública, indicando as suspeitas ou declarando que nada se achou.

Se as suspeitas são mostradas, o acusado pode se defender; se o acusador admite que errou, o dano ainda existe mas se reduz drasticamente. Mas não, parece que o Sistema Petrobras não está interessado em ser ético aqui, e isso só pode ser feito agora de dois modos: ou mostra a suspeita ou oficialmente retira a pecha de suspeito.

Como eu gostaria de que algumas pessoas agissem como o Rubens. Eu gostaria muito de que todos os que participaram da compra de Pasadena, de Premium I e II, de Abreu Lima e do Comperj fizessem como o Rubens, que pede investigações, que quer saber qual é a acusação, que se coloca à disposição da imprensa para responder a toda e qualquer pergunta. Lamento também a imprensa cala, que parece que só quer ouvir quem tem medo de falar.

O Brasil merece e precisa saber que há homens públicos que não levam dinheiro e que, quando acusados de suspeitos, ficam meses insistindo para saber qual é, afinal de contas, a acusação. Nunca chamem um homem honesto de corrupto.

Aos que falam que Rubens é pastor, e é, mas não falam do seu currículo invejável, vale ler a Bíblia, a quem ele imputa seu sucesso profissional. A leitura de Provérbios 28:1 será bem útil: “Os maus fogem, mesmo quando ninguém os persegue, mas o homem honesto é valente como um leão”.

Há, no país, pessoas entrando com habeas corpus preventivo e dizendo temer serem presos. Não sei se é o caso, mas me lembra o verso. E há pessoas valentes, que não aceitam que tirem sua honra, porque a preservam e valorizam. Tire tudo do homem honesto; tire o cargo, tire a oportunidade de servir, mas jamais tire do homem honesto sua honra e dignidade. Se fizer isso, tenha uma certeza: ele não vai ficar quieto até que mostrem o que têm contra ele, ou peçam desculpas. Se em algum momento você achar que o Rubens está sendo “chato” ou “insistindo demais nesse assunto”, é porque a epidemia de pusilânimes e ladrões está prejudicando sua avaliação. Um homem honesto leva essas coisas à exaustão.

O Rubens (e eu, como seu amigo e cidadão) não vai parar enquanto o Conselho de Administração da Transpetro não revelar as tais “suspeitas” ou declarar publicamente que, mesmo após a demissão e três meses de esforços, nada tem contra ele. Espero que o presidente da Petrobras, que preside o Conselho de Administração da Transpetro, venha a público dizer quais são as suspeitas que mencionou ao demitir Rubens, ou se achou alguma após três meses de auditoria. Se não tiver, que diga que não acharam nada.

Rubens não tem a força política dos que levianamente o acusaram, nem conta com uma imprensa leal ao contraditório, que só se agrada de falar de corruptos e que parece não gostar de publicar sobre os homens de bem. Mas Rubens tem três coisas: um, insiste em que a verdade venha à tona; dois, é um homem bem perseverante; três, como pastor e cristão (qualidades tão regularmente citadas pela imprensa), também conta com a justiça divina, da qual habeas corpus algum haverá de livrar os que agirem mal.

Se Rubens Teixeira precisar ir para a Justiça dos homens para repor a verdade, sem problema, homens honestos não têm medo da Justiça. Ao contrário, é justamente a lei quem prevê a reposição da honra, as indenizações civis e as merecidíssimas reprimendas penais para os que levianamente desrespeitam a honra e a dignidade alheias.

William Douglas, na qualidade de cidadão.

 Fonte: Gospel Mais

Silas Malafaia comenta sobre ‘travesti que tem pênis’ e a internação em enfermaria feminina

Eduardo Paes, prefeito do Rio de Janeiro

Eduardo Paes, prefeito do Rio de Janeiro

Em um vídeo lançado hoje em seu canal no YouTube, o pastor Silas Malafaia partiu para cima de uma resolução publicada no Diário Oficial do Município que permite a travestis ou transexuais ocuparem vagas em enfermarias correspondentes ao gênero com o qual se identificam nas Unidades de Saúde do Rio de Janeiro. Ou seja, caso solicitem, poderiam ser acomodados nas alas femininas de hospitais municipais, dividindo a enfermaria com idosas, senhoras e moças.

Numa enfermaria de um hospital municipal cabem de quatro a seis vagas (…) quatro ou cinco mulheres podem ser constrangidas, mas o travesti não“, fala Malafaia, e complementa: “quer dizer que um travesti que tem pênis (…) ele se sente a sua identidade que ele é mulher, então ele vai para a enfermaria da mulher ...”.

Veja o vídeo completo, clicando aqui.

COMENTÁRIO:

E agora, Prefeito Eduardo Paes?

O prefeito Eduardo Paes costuma frequentar eventos evangélicos em ano eleitoral

 

Eduardo Paes quer lésbicas no Conselho Municipal de Mulheres do Rio de Janeiro

Eduardo Paes, prefeito do Rio de Janeiro

Eduardo Paes, prefeito do Rio de Janeiro

Projeto de Lei tramita em regime de urgência e, aliados do prefeito, vereadores evangélicos não dão mostras de movimentação contrária

O prefeito do Rio de Janeiro Eduardo Paes (PMDB) apresentou o Projeto de Lei 1304/2015 que trata da criação do Conselho Municipal da Mulher (CODIM-Rio) com a finalidade de discutir e encaminhar políticas públicas que defendam as mulheres.

O projeto visa traçar diretrizes em defesa do sexo feminino, com recorte de raça e etnia, respeitando as diferentes demandas das diversas faixas etárias e a livre orientação sexual e religiosa, para garantir a igualdade de oportunidades e de direitos entre homens e mulheres.

A composição do CODIM-Rio, segundo o Projeto,  seria composto por 22 conselheiras que seriam nomeadas por ele, com a ressalva de que metade delas deve vir do Poder Público, enquanto a outra metade, conforme amarra o § 1º do Art. 4º do referido projeto, será composta por entidades feministas e coletivos do movimento LGBT, negro, indígena e outros.

COMENTÁRIO:

O prefeito Eduardo Paes (PMDB-RJ) tem todo o direito de inserir no projeto quem ele quiser, mas sua atitude tem que ser de conhecimento do eleitor evangélico, visto que Paes buscou o voto do eleitor evangélico quando concorreu duas vezes para o cargo de prefeito da Cidade do Rio de Janeiro.  


Ressalta-se que muitos religiosos aliados de Paes e que atuaram intensamente como cabos eleitorais nas duas últimas campanhas dele – que defende a agenda LGBT – são os mesmos que entram em batalhas – pela internet, TV ou artigos – contra o avanço da agenda LGBT. Ou seja, usam dois pesos e duas medidas: aliam-se a Paes (pró-agenda LGBT), mas se mostram anti-agenda LGBT. 

É bom evidenciar, também, que o prefeito Eduardo Paes é aliadíssimo do deputado federal Eduardo Cunha, Presidente da Câmara dos Deputados, que defende, inclusive, seu nome para a campanha presidencial de 2018.  

Não há evidências de que os vereadores evangélicos do Rio de Janeiro – Tânia Bastos, Alexandre Isquierdo, Eliseu Kessler e João Mendes de Jesus – tenham se movimentado contrariamente ao Projeto. 

Quem trouxe esse assunto à tona e já apresentou modificações ao projeto de Eduardo Paes foi o vereador NÃO evangélico Carlos Bolsonaro (PP-RJ).

Carlos Bolsonaro sugere na emenda reduzir o artigo a um parágrafo único, em oposição aos dez pontos originais, a fim de “excluir palavras em excesso”, com o argumento de que assim seria mais fácil incluir a sociedade civil no assunto. Para ele, a  “implementação de políticas públicas comprometidas com a eliminação dos preconceitos e desigualdades de gênero”, já seria o bastante na ação do Conselho em parceria com a Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres (SPM-Rio).

Mensagem escrita por Eduardo Paes em seu Twitter no dia da aprovação do 'casamento gay' pela Suprema Corte dos EUA

Mensagem escrita por Eduardo Paes em seu Twitter no dia da aprovação do ‘casamento gay’ pela Suprema Corte dos EUA

 

 

Travestis e mulheres usarão a mesma enfermaria em Unidades de Saúde do Rio. E agora Eduardo Paes?

Eduardo Paes, prefeito do Rio de Janeiro

Eduardo Paes, prefeito do Rio de Janeiro

Travestis poderão, a partir de agora, ficar em enfermarias femininas em Unidades de Saúde do Município do Rio de Janeiro.

A resolução foi publicada no Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro do dia 02 de julho de 2015 (quinta-feira).

Essa resolução está alinhada com o PNDH 3 (Plano Nacional dos Direitos Humanos, terceira versão, idealizado no governo Lula do PT).

COMENTÁRIO:

O Prefeito Eduardo Paes que costuma andar no meio evangélico, em período eleitoral, buscando o voto do rebanho e levando líderes do Rio de Janeiro a fazerem  campanha para ele na TV, precisa reverter essa resolução.

Que história é essa que mulheres terão que conviver com homens travestidos de mulher no mesmo ambiente? Onde está a privacidade? Vale a voz dos ativistas LGBT?

Será que os eleitores de Paes aprovam essa ação da Prefeitura?

Ressalto que Eduardo Paes é aliadíssimo do deputado federal Eduardo Cunha – presidente da Cãmara dos Deputados. Cunha tem insinuado que Paes é um bom nome para concorrer à Presidência da República em 2018.

 

Jean Wyllys diz que maioria do povo brasileiro não tem capacidade de pensamento crítico. São alienados então?

Deputado  Jean Wyllys

Deputado Jean Wyllys

ExBBB e deputado federal Jean Wyllys disse, em entrevista ao Jornal A Tarde online, que nem sempre a maioria é justa; e a maioria do povo brasileiro não tem capacidade de pensamento crítico, ao ser abordado sobre maioridade penal.

Uma maioria, sem capacidade de pensamento crítico e com preconceitos arraigados, torna-se terreno fértil para o fascismo“, disse Wyllys ao ser questionado como poderia explicar o porquê 87% da população brasileira ser favorável à redução da maioridade penal.

O exBBB ainda afirmou que parte expressiva e crescente da maioria da população não temrepertório cultural ou habilidade em interpretar texto“, referindo-se a “um dilúvio de informações falsas e verdadeiras” que circulam pela internet. Com informações de A Tarde.

COMENTÁRIO:

Jean Wyllys eufórico, em 2005, após ser escolhido pelo público 'esclarecido' de telespectadores do BBB

Jean Wyllys eufórico, em 2005, após ser escolhido pelo público ‘esclarecido’ de telespectadores do Big Brother Brasil

Então Jean Wyllys entende que a maioria da população brasileira não tem senso crítico só porque tem posicionamento diferente do seu em relação à redução da maioridade penal? 

É bom que esse exBBB refresque sua memória e lembre que foi justamente a maioria dos telespectadores que lhe deu vitória no programa Big Brother Brasil da Globo no ano de 2005.

Então sua vitória no Programa da Globo é fruto da escolha dos alienados?

Esse pseudo-intelectual diz combater o preconceito, mas age de maneira antagônica. E, se ele pensa que sua visão etnocêntrica de mundo vai prevalecer, engana-se redondamente. Há uma multidão de esclarecidos atentos a tudo e que não deixará suas nefastas ideologias ganharem o Brasil.

Talvez ele pense que a população será bastante esclarecida, a partir do momento que assistir muito Big Brother Brasil.

Ataque contra igreja evangélica na Nigéria deixa cinco mortos

Igreja destruída após ataque na Nigéria

Igreja destruída após ataque na Nigéria

Um ataque suicida realizado por uma “mulher-bomba” em uma igreja evangélica lotada matou pelo menos cinco pessoas no nordeste da Nigéria neste domingo, disseram testemunhas. Este é o mais recente atentado em uma série de ataques atribuídos ao grupo extremista islâmico Boko Haram, que já deixou cerca de 200 mortos na semana passada.

A polícia correu para a igreja localizada em Potiskum, a maior cidade do Estado de Yobe, e encontrou mulheres e homens atordoados perto dos destroços. Um membro da congregação disse que a explosão veio de uma mulher que frequentava o local.

Um repórter da Associated Press contou cinco corpos da explosão no necrotério do hospital local, onde uma mulher ferida estava sendo tratada.

O Boko Haram assumiu o controle de uma grande área do nordeste da Nigéria no ano passado e declarou um califado islâmico. Fonte: Associated Press, voa Paraná On Line

Aprovada a lei que conhece família apenas a “união entre homem e mulher”

Família: projeto de Deus.

A lei foi aprovada, sem objeção, no último dias antes do recesso por todos os deputados distritais. A Lei distrital vai na contramão da onda colorida que invadiu as redes sociais e movimento LGBT do DF vai pedir sua inconstitucionalidade.

Os deputados distritais aprovaram, nesta terça-feira (30), durante a votação da LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) um projeto de lei (PL) que define entidade familiar como “o núcleo social formado a partir da união entre um homem e uma mulher, por meio de casamento ou união estável”. O PL 173 de 2015, de autoria do deputado Rodrigo Delmasso (PTN), foi aprovado por todos os 22 distritais, sem objeções, no último dia de atividade antes do recesso, em meio a 47 outros projetos.

O projeto do DF é uma adaptação do polêmico Estatuto da Família, de 2013, que está em discussão em comissão especial na Câmara dos Deputados.

Questionado se o estatuto não exclui outras entidades familiares, como a união formada por pessoas do mesmo sexo – permitida por decisão do Supremo Tribunal Federal de 2011 -, o deputado Rodrigo Delmasso afirmou que a definição sobre o que é família não cabe à Câmara Legislativa do DF. “É uma atribuição do Congresso Nacional. Definir isso seria invadir uma competência”, disse.

Ele defende que a lei, que ainda precisa ser sancionada pelo governador Rodrigo Rollemberg, não é excludente. “Essa lei não veio para excluir. Dependendo da interpretação do inciso II, dá para se encaixar esse ponto”, disse. O inciso II diz respeito a famílias monoparentais e define entidade família como “comunidade formada por qualquer dos pais e seus descendentes”.

O projeto institui diretrizes para políticas públicas de valorização da família no âmbito do Distrito Federal. Entre outras determinações, o projeto decreta que o DF deve garantir à entidade familiar “as condições mínimas para sua sobrevivência”, o que inclui prevenção à violência doméstica e promoção de estudos para avaliação do impacto das políticas públicas.

O projeto também decreta a garantia das entidades familiares o acesso à educação, à cultura, ao esporte, lazer e trabalho. Também assegura atenção integral à saúde.

Repúdio

O movimento LGBT do DF repudiou o projeto de lei e disse que vai pedir sua inconstitucionalidade. “Um segmento da sociedade não pode se sobrepor a outro, as políticas públicas são para todos e não para uma parcela. Se o Supremo reconhece as uniões ‘homoafetivas’, não pode um poder secundário se sobressair a legalidade das uniões LGBT. Uma lei criada pela CLDF não pode se sobrepor a constituição brasileira”, disse Michel Platini, diretor da organização não governamental Estruturação, que defende os direitos de gays, lésbicas, bissexuais, travestis, transgêneros e transexuais em Brasília. (Fonte: FatoOnLine.com.br)

Pastor e padre lavam os pés do travesti que foi ‘crucificado’ na parada gay de SP

lava_pesDepois de ser criticado, Brasil afora, por ter simulado uma crucificação na parada gay de São Paulo, o travesti protagonista do ato afrontoso à fé de milhões, recebeu o afeto de dois representantes de religiões cristãs: o padre Julio Lancellotti e o pastor evangélico José Barbosa Junior. Ambos religiosos lavaram os pés do travesti, no Largo do Arouche, na região central da capital paulista.

O pastor explicou, no Facebook, o apoio dado por ele e pelo padre Lancelotti ao travesti. “Fizemos isso como um ato de desagravo, pedido de perdão pelas muitas crucificações que as pessoas LGBT sofrem no Brasil e como atitude de serviço, porque entendemos que os cristãos devem servir aos oprimidos, excluídos e aos que sofrem toda sorte de preconceitos”.

Lancellotti – que tem forte viés esquerdista (basta ler seu histórico), por sua vez, lembrou, na rede social, que o Papa Francisco recebeu neste mês um transexual espanhol que, segundo os jornais daquele país, teria sido chamada de filho do diabo por um padre local. De acordo com os jornais espanhóis, Francisco teria dito ao travesti “Deus te aceita como é”. (Com informações de O Dia)

COMENTÁRIO:

Cristãos politicamente corretos andam na contra-mão da Bíblia. 

Pergunta-se: será que ambos fizeram isto para marketing pessoal?

Será que o pastor pregou o Evangelho para o homossexual e disse-lhe que deveria arrepender-se de seus pecados para obter a vida eterna ?

Nos dias de Jesus os farizeus gostavam que suas atitudes ficassem na ‘vitrine’.

Dupla da vergonha.

 

Silas Malafaia ganha ‘direito de resposta’ na Band News após atitude de Ricardo Boechat

direito de resposta

As reclamações do pastor Silas Malafaia para a cúpula da Band depois do episódio com Ricardo Boechat surtiram efeito.

Malafaia terá uma espécie de direito de resposta na Band News. Participará de uma longa entrevista na rádio para expor seu ponto de vista. O entrevistador não será Boechat. (Com informações de Radar On Line da Revista Veja)

COMENTÁRIO:

Conforme o site Gospel Mais, “a locação de horários para igrejas evangélicas virou uma fonte de renda indispensável para o Grupo Bandeirantes, que apenas na Band arrecada mais de R$ 300 milhões por ano”.

O programa “Vitória Em Cristo”, dirigido pelo Pastor Silas Malafaia, é um dos mais antigos do ramo, exibido pela emissora.

É evidente que a Band não vai querer ficar mal com um de seus clientes – Malafaia – devido a uma atitude desavergonhada de um de seus funcionários.

Leia mais:

>>> Malafaia versus Boechat: direção da Band entra no caso

>>> Pastor Rubens Teixeira – da Assembleia de Deus – comenta o lamentável episódio, sem defender um ou outro

Site de Silas Malafaia sofre ataque hacker com apologia LGBT

O site do pastor Silas Malafaia ‘Verdade Gospel’ foi alvo de um ataque hacker na madrugada deste sábado, dia 27 de junho.

Como se vê na imagem abaixo, com as cores coloridas extraídas do Arco de Deus ( conhecidos por muitos como arco-íris, numa alusão à Íris da mitologia grega ), os hackers postaram fotos daqueles que sistematicamente vem denunciando as ações de ativistas gays. São eles:

-Deputado federal Jair Bolsonaro

-Pastor Silas Malafaia

-Deputado Marco Feliciano

-Deputado Eduardo Cunha

-Levy Fidelix

-Apresentador Danilo Gentilli

-Jornalista Rachel Sheherazade

Estranhamente está a foto do senador Aécio Neves. O único que NÃO de indispôs com o segmento LGBT.

Site Verdade Gospel hackeado

Site Verdade Gospel hackeado

Abaixo da imagem foi postada a mensagem a seguir, com a foto do jornalista Ricardo Boechat da Bandeirantes no final da mesma:

“O ser humano em primeiro lugar”. Esse é o slogan da campanha de alguns líderes fundamentalistas. Porém, curiosamente, essas lindas palavras não se refletem no rastro de intolerância contra aqueles outros seres humanos, que não são contemplados por suas bençãos. Que ser humano? Naturalmente, o ser humano branco, homem, heterossexual e cristão. De preferência com dinheiro.

Religião e política não devem se misturar. Como parte da bandeira da Liberdade de Expressão, nós Anonymous defendemos a liberdade religiosa. Mas defendemos a liberdade de TODAS as religiões, que só é possível num estado laico. Alguns políticos da bancada evangélica vem desrespeitando a laicidade do estado, atacando minorias em função de suas identidades e orientações sexuais, movendo ações contra religiões de matriz africana e, claro, tentando colocar a mulher “no seu devido lugar” de submissa.

O pensamento proibicionista sustenta o mesmo critério que as igrejas tinham na idade média, o do castigo para aquele que trangride a moral religiosa. Não basta que cada um pratique sua religião e seja feliz na diversidade, é preciso massificar a cultura e o pensamento, deixar todos iguais, de joelhos, e pagando devidamente seus dízimos.

A todos estes pastores que vêm se aproveitando da religiosidade de pessoas humildes para manipular suas posturas políticas, usaremos lições do próprio cristianismo. Que fique evidente o que diz a bíblia, nas palavras do próprio Jesus, sobre o trabalho de vocês:

Mateus 6 (1-2; 5-6; 24):

“Tenham o cuidado de não praticar suas [ ‘ Not Valid] obras de justiça [ ’ Not Valid] diante dos outros para serem vistos por eles. Se fizerem isso, vocês não terão nenhuma recompensa do Pai celestial. Portanto, quando você der esmola, não anuncie isso com trombetas, como fazem os hipócritas nas sinagogas e nas ruas, a fim de serem honrados pelos outros. Eu lhes garanto que eles já receberam sua plena recompensa. (…)

E quando vocês orarem, não sejam como os hipócritas. Eles gostam de ficar orando em pé nas sinagogas e nas esquinas, a fim de serem vistos pelos outros. Eu lhes asseguro que eles já receberam sua plena recompensa. Mas quando você orar, vá para seu quarto, feche a porta e ore a seu Pai, que está no secreto. Então seu Pai, que vê no secreto, o recompensará. (…)

“Ninguém pode servir a dois senhores; pois odiará a um e amará o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Vocês não podem servir a Deus e ao Dinheiro”.

Mateus 19 (21-24):

“Disse-lhe Jesus: Se queres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, e segue-me.

E o jovem, ouvindo esta palavra, retirou-se triste, porque possuía muitas propriedades. Disse então Jesus aos seus discípulos: Em verdade vos digo que é difícil entrar um rico no reino dos céus. E, outra vez vos digo que é mais fácil passar um camelo pelo fundo de uma agulha do que entrar um rico no reino de Deus.”

Comecem a praticar aquilo que pregam, senhores. A hipocrisia de vocês já nos bastou.

Nós somos Anonymous
Nós não perdoamos
Nós não esquecemos
Esperem por nós

!! HACKED !!

boechat

Malafaia versus Boechat: direção da Band entra no caso

malafaia

Silas Malafaia e a direção da Band conversaram após o jornalista do grupo Ricardo Boechat ter falado para o pastor “ir procura uma r@$#” em um comentário na rádio BandNews FM.

O telefonema foi uma tentativa de colocar panos quentes no ocorrido, já que Malafaia aluga espaços na TV Band.

Mesmo assim, o pastor publicou no Twitter que iria procurar o presidente da Band, Johnny Saad.

malafaia(As informações são da coluna Outro Canal, assinada por Lígia Mesquita e publicada na Folha desta quarta-feira 24, com adaptações de Paulo Teixeira).

COMENTÁRIO:

Sobre o episódio, o pastor Rubens Teixeira, da Igreja Assembleia de Deus, fez um comentário isento, onde comenta o ocorrido.

Conforme o site Gospel Mais, “a locação de horários para igrejas evangélicas virou uma fonte de renda indispensável para o Grupo Bandeirantes, que apenas na Band arrecada mais de R$ 300 milhões por ano”.

O programa “Vitória Em Cristo”, dirigido pelo Pastor Silas Malafaia, é um dos mais antigos do ramo, exibido pela emissora.